Isabel Guimarães – Regências anatómicas dos signos e ação biodinâmica dos planetas e relação com as ervas

Em astrologia médica “planetas” normalmente se refere aos planetas “visíveis”: Mercúrio, Vénus, Marte, Júpiter e Saturno, mas também inclui o Sol e a Lua.

Analisando para avançarmos para seus detalhes:

Há três coisas principais consideradas no mapa de astrologia médica de qualquer tipo, são eles:

  • – O Sol, o signo do zodíaco e da Casa que se encontra, e quaisquer influências relevantes de outros planetas;
  • – A Lua, o signo do zodíaco e da casa que se encontra, e quaisquer influências relevantes de outros planetas;
  • VI casa, o signo do zodíaco na sua cúspide, quaisquer planetas localizados dentro ou associado com a Casa e quaisquer influências relevantes por outros planetas;
  • – em ambos os casos verificar sempre o dispositor da cúspide da casa.

 

O Sol é geralmente considerado como o principal indicador da saúde de um homem, sendo que a Lua é de importância secundária. Para o sexo feminino a Lua é o principal indicador de saúde, enquanto o Sol é de importância secundária.

A Sexta casa refere-se a questões de saúde em geral, e é a Casa mais importante num mapa de saúde.

Há também outras coisas a considerar, como o posicionamento dos planetas no céu, que é o signo do zodíaco e da casa dos planetas que estão localizados e sua relação com o outro, em outras palavras, se há um aspeto significativo (alinhamento angular) entre os planetas. Claro que há uma série de outras considerações que para já não irei mencionar, mas este é, apenas uma visão geral básica.

Agora comecemos a aprofundar.

Tabela dos signos zodiacais – elementos e modalidades

Norte                                                   Sul

 

Carneiro |Fogo |Cardinal +                   Balança |Ar |Cardinal +

Touro |Terra |Fixo –                              Escorpião |Água |Fixo –

Gémeos|Ar|Mutavél +              Sagitário|Fogo|Mutável +

Caranguejo|Agua|Cardinal –                Capricórnio|Terra|Cardinal –

Leão|Fogo|Fixo +                                 Aquário|Ar|Fixo +

Virgem|Terra|Mutável –                        Peixes|Agua|Mutável –

+ positivo – negativo

Partes do corpo regidas pelos signos são analisadas como EIXOS 

Carneiro –  Cabeça, cérebro, olhos, rosto, maxilar superior, artérias carótidas, sistema nervoso central, da frente do corpo.

Balança – Rins, ureteres, glândulas supra-renais, pele, rins, região lombar, nas costas do corpo.

————

Touro – Pescoço, garganta, orelhas, mandíbula, garganta, cerebelo, glândula tireoide.

Escorpião – Sistema reprodutor, bexiga, uretra, genitais, ovários / testículos, próstata, cólon sigmóide, osso púbico, nariz, heme (átomo de ferro contido no centro de um largo anel orgânico heterocíclico chamado protoporfirina IX).

————

Gémeos – Braços, pulmões, brônquios, traqueia, ombros, mãos, dedos, sistema nervoso simpático.

Sagitário – Coxas, quadris, fêmur, sacro, cóccix, ísquio, vasos sanguíneos, nervos ciáticos, glândula pituitária.

————

Caranguejo – Seios, diafragma, estômago, esófago, sabor, o lado esquerdo do corpo.

Capricórnio – Joelhos, ossos, dentes, pele, articulações, cabelos, paratireoides, o lado direito do corpo, sistema esquelético.

————

Leão – Coração, costas, coluna vertebral, medula espinhal, de volta, a glândula timo.

Aquário – Pernas, tornozelos, circulação, corpo pineal.

————

Virgem – Intestino, as placas de Peyer (são acúmulos de tecido linfoide presentes na mucosa e submucosa do intestino delgado, geralmente no íleo), plexo solar, abdômen, sistema nervoso parassimpático.

Peixes – O tálamo, a fibrina do sangue.

 

Modalidades

Signos cardinais – Cabeça

Signos fixos – Tronco

Signos mutáveis – Membros

 

Elementos

Fogo – Vitalidade

Terra – Ossos e Carne

Ar – Respiração

Água – Sangue

 

Os elementos básicos

As bases de todas as nossas investigações assentam no círculo zodiacal e nos seus corpos planetários:

Carneiro|Touro|Gémeos|Caranguejo|Leão|Virgem|Balança|Escoprião|Sagitário|Capricórnio|Aquário|Peixes

 

Que estão divididos:

Cardinais: Carneiro|Balança|Caranguejo|Capricórnio

Fixos: Touro|Escorpião|Leão|Aquário

Mutáveis: Gémeos|Sagitário|Virgem|Peixes

 

Fogo: Carneiro|Leão|Sagitário

Terra: Touro|Virgem|Capricórnio

Agua: Caranguejo|Escorpião|Peixes

Ar: Gémeos|Balança|Aquário

 

Em primeiro temos de saber que existe uma analogia uma comunhão entre cada divisão do zodíaco e uma determinada zona do corpo. Sua localização é ampla embora marcadamente e definida.  Na criança, no ventre, é uma síntese composta por doze. Ao nascermos as divisões estão determinadas e sucessivamente dentro do corpo que se converte num exponente do zodíaco.

Sabemos que o macrocosmo está conectado com o microcosmo de toda a humanidade. Assim, com esta analogia antiga podemos entender a existência das probabilidades da astrologia e relacioná-las com o início e o término e vice-versa, das tendências de doenças, inicio das mesmas e como as curar ou ter que aceitar.  Falaremos de probabilidades partindo do mapa natal.

Após a síntese dos signos e relação com o corpo humano e sua anatomia, seguimos a sequência, sabendo que começamos na cabeça e terminamos nos pés. Podemos até associar á própria anatomia humana, precisamos que o sangue chegue ao cérebro, começando pelos pés.

Seria fácil fazermos desta forma, seguíamos a sequência dos signos e poderíamos prever o ciclo das doenças, por exemplo se começamos com o ascendente em Balança, termos a cabeça na casa 7, podemos então dizer que a sequência da análise médica seria pela casa 7, mas não podemos seguir só esta sequência.

Então veremos, por exemplo que no Kala Purusha, o Grande Senhor do Universo, estes signos são os conhecidos de Carneiro a Peixes e naturalmente, sua situação no firmamento é a continuidade, um depois do outro seguindo sua disposição circular. Os planetas viajam através dos signos da faixa zodiacal, e provocam alterações, provocam intercâmbios harmónicos no organismo e na mente, ou desarmónicos de todo o tipo. Um planeta também está vinculado a um ou mais signos, demonstrando uma afinidade natural através dos mesmos.

Assim sabemos que o Sol tem afinidade com Leão, a Lua com Caranguejo, Vénus com Touro e Balança, Marte com Carneiro e Escorpião, Júpiter com Sagitário, Saturno com Capricórnio e Aquário, Úrano com Aquário, Neptuno com Peixes, Plutão com Escorpião, sendo estes os respetivos swakshetras, os domicílios dos planetas citados. Mas, os planetas também têm atributos específicos. Aqui vamos apenas resumir cada um:

 

Sol – Vitalidade

Lua – Nutritiva

Mercúrio – Nervoso

Vênus – Linfático

Marte – Inflamatório

Júpiter – Pletórico (um aumento excessivo de sangue no organismo, causando uma inchação vascular) 

Saturno – Crónico

Neptuno – Coma (ainda pouco estudado)

ÚranoEspasmódico (ainda pouco estudado)

Plutão – Cancro (ainda pouco estudado)

 

De acordo com as origens do alfabeto da astrologia médica, aparece de forma a extrair as palavras para depois construirmos a frase. Por exemplo: se temos Marte em Carneiro, podemos dizer que a pessoa que tem este aspeto no seu mapa natal, terá um temperamento explosivo, altamente excitável, superativo na cabeça (cérebro) correndo o risco de contrair febres.

Outro exemplo de Lua com Úrano a transitar este signo, Carneiro, caibras no estomago, terá um digestão muito rápida, podendo trazer problemas de digestão.

Na astrologia ocidental, o coração está correlacionado com o signo de Leão e a quinta casa. Mas no oriente dizem que a 4ª casa e o signo de Caranguejo são responsáveis ​​pelo coração. Está ligado ao peito, não ao estômago. Astrólogos ocidentais tomam a quinta casa responsável pelo coração de Leão, o dono do qual é o Sol, o coração.

Se olharmos mais, a 6ª casa é controlada pelo Mercúrio, e dele derivam todas as doenças. Mas sabemos que apenas dois planetas são responsáveis ​​por doenças: Marte (infeções, inflamações,) e Saturno (doenças crónicas), não o Mercúrio.

Sugiro começarem a olhar para a casa 4, sendo esta a porta da alma na Terra, e os medos que acumulamos da nossa ancestralidade e do meio ambiente quando nascemos, para além dos traços psicológicos um olhar para a ligação ao coração e não ficarem só centrados na casa 5 ou só no Sol.

 

Partes do corpo correspondem com as casas:

1ª casa – cabeça, cérebro, corpo, aparência, cabelo, pele.

2ª casa – olhos, olho direito, dentes, língua, cavidade oral, nariz, cordas vocais.

3ª casa – orelha direita, pescoço, ombros, vias aéreas superiores, esôfago, clavícula, ombros e mãos.

4ª casa – o peito, pulmões, coração, diafragma.

5ª casa – a parte superior do estômago para o umbigo, vesícula biliar, fígado, pâncreas, baço, intestino delgado.

6ª casa – a tripa gorda, apêndice, rins.

7ª casa – o útero, ovários, testículos, próstata, bexiga.

8ª casa – genitais, características sexuais secundárias, cordão espermático, reto.

9ª casa – coxas e nádegas.

10ª casa – joelhos e perna, fluido lubrificante do joelho.

11ª casa – pernas, orelha esquerda.

12ª casa – os pés, olho esquerdo.

 

Do livro: W. Lilly, Christian Astrology , 1647 p. 282.

A sétima casa, Lilly diz: ‘Dá juízo … na Astrologia [do] artista himselfe; em Physicke, o fisicista ‘. Dos significadores para esta casa, ele acrescenta: ‘Consignificator Libra e Moon; Saturno ou Marte [são] infelizes aqui …

A colocação da 7ª casa em frente à 1ª casa do corpo e vitalidade simboliza as habilidades astrológicas do terapeuta e ou médico em relação ao paciente. A associação da Lua com a casa reflete a sensibilidade e a recetividade do médico ao paciente. Sendo o planeta mais próximo da Terra, a Lua está localizada no limiar entre os mundos celeste e elementar e representa o ponto de translação. Dentro da “visão de mundo” hermética, esta é a fronteira entre a emoção e o físico.

Um médico no século 17 era mais um curador espiritual do que nós atualmente associamos com o termo. Além de atender às necessidades físicas de um paciente, o médico se comunicava diretamente com o mundo espiritual em benefício do paciente. Isso é demonstrado pelo símbolo de Júpiter sendo a base do termo ‘prescrição’ (L. pre – ‘antes’ + scribo – ‘eu escrevo’). Antes de anotar a medicação, um médico marcou o glifo de Júpiter no topo da página. Esta é uma invocação a Júpiter para fornecer conhecimento das ervas apropriadas a serem usadas pelo paciente. Depois de receber o conhecimento, a lista de medicamentos é mais corretamente chamada de receita, do latim recipere que significa ‘receber’.

Muitas vezes encontro nos meus pacientes problemas de consciência e tristeza e tenho que agir de modo divino antes de poder ser terapeuta. De facto, as nossas maiores habilidades estão na capacidade de levar esperança, para induzir confiança e paz de espírito. Nada de estranho para o século que estamos, no entanto, essa atitude não se verifica nos tempos modernos, dai o renascer da Astrologia Médica fazer sentido, pelos princípios e valores que a regem, encontrando nas bases da astrologia tradicional dedicada ao tema. No entanto, nestes últimos 2 anos o renascer da naturopatia, medicina alternativa e complementar começam a ligar-se a estes valores.

A doação de ervas é essencial para a habilidade terapêutica de um médico. Em física, a Lua é usada para obter o momento mais apropriado para dar ervas aos pacientes.

Enquanto nos trópicos as mudanças de estação são menos percetíveis, nas zonas temperadas tais mudanças afetam profundamente a fauna e a flora. Há períodos, biologicamente estabelecidos para a plantação das sementes, sua germinação, surgimento dos brotos, flores, queda das folhas, nascimento dos frutos e dispersão das sementes.

Cada espécie de planta tem seu próprio tempo de florescimento de acordo com cada Estação. Vejamos:

PRIMAVERA

Março: Calta (Caltha), Anêmona dos bosques (Anemone);

Abril: Campainha (Scilla), Cardamina (Cardamine);

Maio: Sanícula-dos-montes (Sanicula), espinheiro (Crataegus);

Junho: Rosa-de-cão (Rosa), Tomilho silvestre (Thymus);

VERÃO

Julho: Bons-dias (Convolvulus), Clematite (Clematis);

Agosto: Hera (Hedera);

Setembro: Açafrão-do-prado (Colchicum);

OUTONO

Outubro: Uma espécie de açafrão da família Mediterranean;

Novembro: Rosa do Himalaia (Himalayan);

INVERNO

Dezembro: Heléboro negro (Helleborus).

Janeiro: Verônica (Veronica) e Acônito (Eranthis);

Fevereiro: Celidónia inferior (Ficaria), Rosa canina (Mercurialis);

Ervas planetárias

As flores do relógio floral não correspondem ao horário terrestre já que este depende não só do ciclo de 24 horas, mas também do ciclo semanal.

Como cada dia da semana corresponde a um planeta, supomos que exista um ciclo de sete dias. Sugiro como resposta a isto o ciclo lunar de 28 dias, divididos pelos quatro elementos: fogo, terra, ar e água, que desempenham funções importantes na Astrologia.

Para considerarmos agora as regras tradicionais relativas às ervas, de acordo com os sete planetas, PRINCIPALMENTE OS LUMINARES

Ervas solares

O Sol rege o domingo e sua passagem zodiacal dá-se no período de um ano. Consequentemente, as ervas solares têm, na sua maioria, ciclo de crescimento anual, e seu simbolismo é o Sol.

Por outro lado, tais ervas apresentariam uma das características solares, ou seja: (1) coloração dourada ou alaranjada, semelhantes à do açafrão ou da laranja; (2) formato orbicular; (3) tamanho grande; (4) forma radiante, como o girassol, por exemplo; (5) odor aromático; (6) efeitos sobre o coração, como estimulante, por exemplo, regido pelo Sol, tal como a canela; (7) tendência a se inclinarem na direção do Sol, como, por exemplo, o girassol e o heliotrópio (O nome tem raiz grega, significando trópico solar). 

Ervas lunares

A Lua rege a segunda-feira e sua passagem pelo zodíaco leva 28 dias. Suas ervas apresentam: (1) folhas macias e suculentas; (2) frequentemente vivem em água doce; (3) as flores e frutas são brancas ou amarelo-claras; (4) seus frutos são grandes; (5) contêm grande concentração de água, como o melão, a melancia, por exemplo, e muitas não apresentam sabor, como a abóbora ou gerimum, e a cuia; (6) acredita-se serem elas possuidoras de uma certa periodicidade mensal; (7) apresentam características próprias da Lua, como, por exemplo, seu formato de quarto crescente, visto nas frutas-da-honestidade (Lunária), nas folhas em forma de quarto crescente da lunária (Botrychium lunaria) e na lunulária (Lunularia).

Vejamos os signos e as plantas:

Carneiro, que representa o pioneirismo, rege os líquenes, que, quanto à forma, assemelham-se à alga-marinha, mas seu papel pioneiro, em contraste com o desta última, realiza-se em terra, preparando o caminho para a vegetação que lhe sucederá.

Touro, signo essencialmente da terra, rege os fungos que, em sua maioria, desenvolvem-se juntos uns aos outros (cogumelos), ou abaixo da terra (trufa).

Gêmeos, signo do ar, rege os musgos, muitos dos quais crescem como epífitos, isto é, sobre árvores no ar.

Caranguejo, signo da água, rege os fetos, cavalinhas e licopódios, cujo estágio sexual desenvolve-se em meio aquático.

Leão, signo do fogo, rege as plantas coníferas, cicadáceas, pinheiros e abetos. O cone (gimnospermas) é uma característica do fogo e do sol, regentes deste signo.

Virgem, signo da terra, dedicado a Ceres, a mãe terrestre, rege, é claro, os cereais, gramíneas e ciperáceas.

Balança, é regida por Vênus, é o signo regente das mais belas plantas floríferas, tais como a íris, os lírios e orquídeas.

Escorpião rege as aráceas e as palmas. Estas plantas apresentam características fálicas e regem o sexo.

Sagitário, o centauro, rege as árvores grandes encontradas em florestas e relacionadas com o amentilho, tais como o carvalho, a faia e o olmeiro, já que é um signo regente das florestas.

Capricórnio, a cabra, signo da terra, rege as plantas que possuem flores com pétalas separadas.

Aquário, representado pela figura de Ganimedes servindo o néctar dos deuses, rege as plantas que possuem flores e pétalas unidas.

Peixes, sendo último signo com a água como elemento, nada é mais justo que Peixes seja representado pela flor-de-lótus (nelumbo nucifera). Suas raízes aquáticas representam a mente do pisciano: não há nada que previna que elas se expandam em direção ao desconhecido

 

No mapa natal de acordo com a área de vida que se encontram podem ser um excelente orientador para o equilíbrio do organismo. Sendo, que teremos de analisar com o respetivo elemento do signo que abre a cúspide da casa, I, VI e procurar o dispositor do mapa para permitir um melhor resultado.

Outra base importante na relação com o diagnóstico, sendo que toda a relação até agora realizada, leva-nos a um caminho de prevenção, olhemos as referências dos planetas e os metais de forma a conseguimos ter uma ideia aquando a leitura de uma análise clínica, o que pode o mapa nos guiar para o excesso ou a carência.

 

No próximo artigo parte IV

Isabel Guimarães, astróloga Profissional, com Isar Cap

www.facesisabelguimaraes.com

 

Bibliografia consultada

Mestrado de Medicina Alternativa, Naturopatia e Terapias Alternativas pela Universidade de Juan Carlos, Granada, realizado em 2018

Julgamento Astrológico de Doenças, 1651, Ch.9.

Tratado Prático de Astrologia Médica de Théo Montéra

  1. Lilly, Christian Astrology , 1647 p. 282.

História Natural das Plantas, de Kerner, tr. Oliver, 29 vol., Londres, 1902, Ritmos Lunares, Proteus, 5, jan. de 1932 e W.B.Crow: Ritmo Biológico: A Base da Astrologia Científica, Proteus, I, jan. de 1931.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *